Redes Sociais

facebook linkedin twitter forrst flickr tumblr






Maiores compradores e vendedores de TI no governo

Postado em: Terça-feira: Contratos, Blog por admin em 13 de novembro de 2012

O Tribunal de Contas da União começou a preparar um sistema de dados consolidados sobre gastos de tecnologia da informação na administração federal. Os primeiros resultados mostram quem são os principais beneficiários dos gastos em TI e quais as áreas mais atendidas.

Chamado de Observatório Sefti – por ser elaborado pela Secretaria de Fiscalização de Tecnologia da Informação – o sistema traz informações consolidadas a partir de bases do governo e, por enquanto, é de acesso exclusivo dos auditores do TCU, mas a ideia é que essa seja uma ferramenta de uso público.

“O Observatório, que começou a ser construído em setembro, permite a identificação online dos números da TI no governo federal, a evolução deles e os indicadores de governança. Estamos agora avaliando os impactos das políticas públicas e a comparação internacional”, explica o auditor Wesley Vaz.

Alguns números, apresentados nesta segunda-feira, 5/11, no seminário Tecnologia da Informação: Controle Externo em Ação, já mostram quem são os campeões da TI no governo. Sem grandes surpresas, Serpro e Dataprev lideram com folga nas contratações de bens e serviços, mas a Positivo segue logo atrás.

O Serpro, por exemplo, ganhou cerca de R$ 5 bilhões entre 2007 e junho de 2012, enquanto a Dataprev recebeu aproximadamente R$ 2 bilhões. A partir daí, aparecem os fornecedores privados – tanto de serviços como equipamentos – na relação do TCU, que listou os 10 maiores vendedores ao governo.

O maior deles é a Positivo Informática, que naquele mesmo período, de janeiro de 2007 a junho de 2012, recebeu aproximadamente R$ 1 bilhão. A lista dos 10 mais do Observatório Sefti continua com Embratel, CTIS, Procomp, HP, Itautec, Oi e IBM, nessa ordem.

O TCU apresentou, ainda, a lista do que foi adquirido – sempre no intervalo 2007-2012. A maior rubrica é de serviços técnicos profissionais, com cerca de R$ 10 bilhões no período. A compra de equipamentos vem em seguida, com aproximadamente R$ 7,5 bilhões.

Em ordem decrescente de valores, a lista sobre o que foi comprado continua com serviço de apoio administrativo, técnico e operacional; comunicação de dados; manutenção de equipamentos; material; manutenção de software; locação de software; aquisição de software.

De longe, o setor de administração é o principal comprador. “O que é natural, visto que TI é área meio. Mas o Observatório mostra que em seguida aparecem atividades fim, como Educação, Judiciário e Saúde”, explica o auditor do TCU, Wesley Vaz. Previdência social, Defesa e Agricultura completam a relação apresentada.

Fonte: http://convergenciadigital.uol.com.br

Quer aprender tudo sobre Licitações, Contratos Administrativos e ser um Pregoeiro certificado?

Be Sociable, Share!